domingo, 4 de abril de 2010

Quem é intolerante mesmo?

A polêmica do momento é o jogador Robinho, e também alguns outros jogadores do clube que, em virtude de sua religião, não quiseram entrar numa entidade espírita para entregar ovos de páscoa.

A notícia, resumida, é a seguinte:

"O time do Santos organizou uma visita a uma entidade que trata crianças com paralisia cerebral...Os jogadores, obviamente foram, mas, segundo conta o próprio Robinho, quando chegou ao local soube se tratar de uma entidade espírita. Ele e alguns outros jogadores do clube, se negaram a entrar na entidade alegando motivos religiosos."

Quem não está por dentro do assunto, recomendo que leia um texto sobre o assunto, e os comentários dos "defensores da tolerância" que estão logo ao final.
http://e-paulopes.blogspot.com/2010/04/robinho-se-recusa-visitar-criancas-de.html
Não quero entrar no mérito da questão da validade da assistência espírita, ou da licitude ou não em entrar em Centro Espírita ou entidades assumidamente espíritas, até mesmo porque o jogador em questão não é católico, sendo assim a pessoa que poderia opinar teologicamente sobre sua postura deve ser um pastor ou fiel da igreja protestante à qual ele faz parte. 

O que me deixa indignado é que agora, em todos os canais, jornais e veículos de comunicação, inclusive as mídias sociais como o Twitter, Robinho é visto como o "símbolo da intolerância" ou "ícone do fundamentalismo religioso".

O mais ridículo da história é que os que pregam tanto a tolerância, são os mais intolerantes, pois não toleram a liberdade de culto a qual o jogador tem direito.

Se ele estava certo, ou estava errado em achar que o "lugar era contaminado" ou qualquer coisa do tipo, não vem ao caso. Vem ao caso que ele NÃO ERA OBRIGADO A ENTRAR NO LOCAL!

Ele, por não ter entrado no local, estava apenas nos seus direitos constitucionais garantidos pelo Art 5º da Constituição, que prevê a liberdade de culto. Intolerante seria se ele demolisse a entidade, ou proibisse que os outros jogadores entrassem, ou que ameaçasse de morte quem entrasse numa entidade espírita, mas não foi isso que aconteceu em nenhum momento.

Um católico quando diz que o espiritismo é demoníaco não está sendo intolerante; um protestante quando diz que católicos são idólatras, não está sendo intolerante, um espírita quando diz que o seu corpo vai reencarnar para ser purificado e que ressurreição não existe NÃO ESTÁ SENDO INTOLERANTE, está apenas professando a fé que acredita ser verdadeira. Se estão certos ou não, não vem ao caso neste momento.

Intolerância se dá quando querem impor goela abaixo que "qualquer religião é boa" e que "quem não entra em todas igrejas, templos, sinagogas, mesquisas, centro de macumba, campo de vudu, etc" está sendo intolerante...Entra em Igreja quem quer, entra em sinagoga quem quer, entra em mesquita quem quer...Querer colocar "todas religiões como iguais" ou como "aceitáveis" é que se trata da maior intolerância.

O próprio papa Bento XVI, antes de ser eleito o Sumo Pontífice disse que o maior perigo da atualidade é essa Ditadura do Relativismo que "nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades."

Se você achar isso tudo que escrevi uma completa bobagem, você NÃO ESTARÁ SENDO INTOLERANTE...é difícil entender isso?Intolerância seria se você colocasse uma arma em minha cabeça me forçando a apagar esse texto que estou escrevendo...intolerância seria se o jogador Robinho, ou seus amigos tentassem acabar com a entidade espírita que presta um serviço de assistência às crianças, ou se, como fazem os muçulmanos, matassem as pessoas que pensam diferente deles.

Intolerância é quando querem ridicularizar a figura do jogador, SOMENTE porque ele se negou a entrar num local onde, conforme ensina a religião que ele segue, não é um bom local...Repito, não vou entrar aqui no mérito teológico ou no mérito cristão das atividades espíritas, pois o intuito do texto não é esse.

Espero que os "politicamente corretos" que não toleram a liberdade de pensamento encontrem outro adjetivo para designar a atitude do Robinho pois, intolerante ele definitivamente não foi.

6 comentários:

Raphael disse...

Você apenas ignora o fato do Robinho ser uma pessoa pública. Quando se é uma pessoa pública, famosa, por assim dizer, seus atos tem consequências, tanto positivas quanto negativas.

Everton do N. Siqueira disse...

Sim Raphael....suas consequências, suas atitudes podem sim ser discutidas....
Ele pode ter sido "infeliz" ao fazer isso, mas intolerante, definitivamente ele não foi!

Lucas Cardoso da Silveira Santos disse...

É fato que não devemos escandalizar as pessoas, e os mais famosos infelizmente tem uma carga de responsabilidade maior sobre os seus atos por se tornaram públicos, mas a responsabilidade maior é de quem deliberadamente pensa, diz e publica o que bem entende a respeito tais pessoas. Ninguém tem a obrigação de parecer santo a todo mundo simplesmente por ser famoso. Temos a obrigação de sermos santos de fato, mesmo que sejamos mal-interpretados por meio mundo de pessoas de má vontade (não estou corroborando o ato do jogador, apenas fazendo um comentário genérico).

Eduardo Araújo disse...

Everton, você foi perfeito ao esclarecer o que de fato é intolerância e o que não é, sobretudo, como no caso do Robinho, trata-se de exercício de liberdade individual amparada na Constituição, sem causar malefícios a terceiros. Nesse sentido, jamais, por qualquer raciocínio, pode-se imputar ao jogador o rótulo de intolerante.

Quanto à ditadura do relativismo, ela se caracteriza não simplesmente pelos tom e cerne relativistas, mas pela imensa hipocrisia, porquanto a conversa fiada de que todas as religiões são boas só é posta em prática quando a religião não é cristã. Quer ver uma coisa: coloque no lugar do centro espírita uma Igreja católica e suponha que o Robinho se recusasse a nela entrar. Duvido que aparecesse um só acusando-o de intolerância, mas haveria muitos falando da liberdade de culto e elogiando o jogador. A verdade é que no fundo dessas manifestações existe, sim, um ódio inflamado contra o Cristianismo.

Abraços
Eduardo
P.S.: cheguei ao se blog por meio do link no comentário do blog Deus lo Vult, do Jorge Ferraz. Já li algumas postagens, inclusive a do Dia da Hipocrisia Ecofascista, que achei magistral.

Aldine disse...

Intolerante não, mas IGNORANTE sim. À luz do discernimento e do raciocínio lógico e objetivo que um ser humano (Robinho) é capaz de ter, espero, não existe por que deixar de entrar num local espírita, por que ele é protestante ou seja lá por qual motivo for. Seguindo a máxima de "fazer o bem sem olhar a quem" (e sem olhar aonde se encontra esse alguém) deveria ter sido o foco da atitude dele naquele momento. Lamentável.

Taty May disse...

Nem intolerante,muito menos ignorante!!!Cada temos q tomar decisões em nossas vidas e o Robinho tomo a decisão d não participar de uma cerimônia espírita...Ele tem o pq dele,afinal ele não deve satisfação da vida dele pra ninguém somente pra Deus... Se ele fez certo ou errado cabe a Deus julgar... Deus mesmo qm disse não julgueis para q não sejais julgados... e tbm Deus mesmo falou q não cabe a nenhum d nós julgar,pq nenhum d nós somos justos...MAIS ELE ÉH! Ao invés d fika criticando o Robinho o mais certo éh abaixar nossa cabeça e refletirmos sobre nossas vidas...Garanto q critica uma decisão pessoal do Robinho não vai concerta um erro d ninguem!!!