terça-feira, 20 de abril de 2010

Globo - 44 anos + 1 !

O título foi feito na finalidade de evitar censura por parte do Partido dos Trabalhadores.

O que ocorreu é que o Partido dos Trabalhadores achou tendenciosa a Propaganda da Globo que começou a passar em Rede Nacional em comemoração aos seus 44+1 anos (faça a conta, o número eu não posso pôr, senão eles podem me processar também).
Alguns "gurus" do comunismo brasileiros, filiados ao PT acharam que essa campanha tem finalidade política por ser o mesmo número do candidato José Serra (adversário da Dilma Roussef), mas esses "intelectuais" censuradores são tão burros que nem se deram conta de alguns detalhes bem básicos, que qualquer pessoa normal poderia entender:

1-Roberto Marinho NUNCA poderia ter fundado propositalmente a Rede Globo em 1965 com a finalidade de ajudar o candidato José Serra por alguns motivos abaixo elencados:
a) Na época nem o PT, nem o PSDB existiam
b) Na época (pode acreditar!) José Serra nem sonhava em se candidatar à presidência no ano de 2010.

O comercial censurado por acusação de "propaganda tucana" é este abaixo,.Felizmente os Petistas (a exemplo do presidente analfabeto) são tão burros que nem tentaram censurá-lo junto ao Youtube, até mesmo porque a grande maioria é contra essa tecnologia burguesa:


Se a moda pega, precisaremos ter alguns cuidados básicos nas próximas eleições:

O SBT não poderá comemorar seu 29º aniversário porque poderá ser processado por estar auxiliando  o PCO (Partido da Causa Operária, nº 29).  Eu bem que falei pro Sílvio Santos esperar pra fundar o canal em 1980, assim ele faria exatos 30 anos em 2010, e como não existe nenhum partido com esse número ele poderia veicular seu comercial tranquilamente sem medo da censura comunista do PT.

Quanto à Globo, o mesmo poderia ser feito, bastaria que ela esperasse um ano para entrar no ar, assim, fazendo 44 anos (eba, esse número pode) não estaria ajudando nenhum partido, uma vez que também não existe nenhum com o número 44!

Apenas um aviso aos fanáticos por Harry Potter: VOCÊS NÃO PODERÃO COMEMORAR O ANIVERSÁRIO DA AUTORA J. K Rowling, porque ela nasceu em 31 de julho de 1965. 

Aos que admiram a cantora Shania Twain também dou uma notícia triste... Vocês também estão proibidos de desejar "Feliz Aniversário" à cantora neste ano, pois ela nasceu em 8 de agosto de 1965.

Aos demais, e eu me incluo aqui, façam as contas e vejam se este ano vocês poderão comemorar seu aniversário ou se terão que ficar quietos...Para isso peço que consultem este link.

Para terminar, quero deixar minha indignação porque farei 25 anos no mês de julho, mas não poderei comemorar, senão eu corro o risco de ser processado por fazer propaganda dos DEMOCRATAS (25) então peço por favor que não me desejem parabéns pois não quero correr esse risco.

Será que agora vão querer banir o Luciano Hulk e o Galvão Bueno porque o nariz deles lembra Tucano e isso pode beneficiar um candidato?

A greve acabou! Coincidência?

Tão logo o governador do estado de São Paulo deixou seu cargo pra se candidatar a presidência, a APEOESP resolveu cessar a greve. Seria apenas uma coincidência? Seria coincidência que, a mesma representante do sindicato, Maria Izabel Azevedo Noronha, que outrora disse querer “quebrar a coluna do governador” resolvesse cessar a greve tão logo o governador deixasse seu cargo?

Para nos falar um pouco sobre o assunto, entrevistamos o Vereador Paulo Roberto Tarzã dos Santos que pertence ao mesmo partido do candidato à presidência José Serra, PSDB:

Everton, A Gazeta: Sr. Vereador, a greve ter acabado tão logo o governador tenha deixado seu cargo foi apenas uma coincidência? 

Vereador Tarzã: Eu não encaro como coincidência. Todos sabemos que a grande maioria da APEOESP tem ligação com o Partido dos Trabalhadores, nós entendemos que é muito importante a organização das categorias e o movimento pela melhora da escola pública, mas lamentavelmente a maioria dos que articularam a greve, o fizeram por motivos políticos.

Felizmente hoje a sociedade civil entendeu que o objetivo de algumas lideranças da APEOESP são ligadas aos objetivos do Partido dos Trabalhadores, e quando eu falo de sociedade civil me refiro a alunos, pais de alunos e a própria categoria dos professores. Mas também posso me dizer confiante no discernimento e na sabedoria da sociedade que percebeu essa movimentação e não aderiam. A greve tinha reivindicações impossíveis de serem atendidas, além de ter um radicalismo por parte dos dirigentes. A gente percebe o amadurecimento da categoria e da sociedade civil e não permitir que ninguém mais se deixe ser usado. 

Everton, A Gazeta:  Há algum tempo tivemos a greve da Polícia Civil e eles conseguiram chegar a um acordo com o então governador José Serra, em que se difere a greve organizada pela Polícia Civil da greve articulada pela APEOESP? 

Vereador Tarzã: A greve da Polícia Civil uniu a categoria e não era uma greve político partidária. Eles não “partidarizaram” o movimento, eles apenas mostraram ao governador suas reivindicações e, dentro do possível, elas foram atendidas. Claro que não se avançou em tudo que eles queriam, pois existe o ideal e o possível, mas houveram grandes avanços para a categoria. 

Everton, A Gazeta: E porque na greve articulada pela APEOESP, até o presente momento não houveram avanços nas negociações? 

Vereador Tarzã: O sindicato da APEOESP tem conhecimento que o estado possui a Lei de Responsabilidade Fiscal, e por isso existe um limite a partir do qual não se pode mais aumentar o salário. O problema é que eles são contra tudo, eles cobraram Concurso Público, e agora estão manifestando-se contrários ao concurso, o Estado está promovendo Concurso para preencher as vagas. O Estado também avançou na questão do salário, promovendo um programa de mérito para aqueles que obtém uma nota e uma assiduidade satisfatória.

Então, houveram avanços, que talvez não tenham sido suficientes e eu concordo que a educação precisa ser melhorada, não apenas a nível estadual, mas em todo o Brasil. Nós temos que entender a realidade, eu gostaria que eles mostrassem em qual estado ou em qual cidade os professores recebem aquilo que eles estão reivindicando. Eu queria que eles apresentassem o holerite. Claro que os professores precisam ganhar mais, mas infelizmente, o Brasil, ainda que seja um país rico, possui uma má distribuição de renda, então o estado não tem condições, atualmente, de valorizar o profissional como ele merece, não apenas com salário mas com capacitação e treinamento. A tarefa de melhorar a educação é um desafio para todo o Brasil.

O que nós percebemos foi a falta de articulação do sindicato da APEOESP que são contra tudo e não querem dialogar em termos de propostas, além de não quererem reconhecer que houveram alguns avanços. Tem que ter a habilidade de negociar, e a greve deve ser usada somente em situações extremas, o que não seria o caso; eles poderiam reivindicar sem a necessidade de articular uma greve.  

Matéria publicada no Jornal A Gazeta Notícias, Folha A4,Ano III, Edição 138 em 15 de abril de 2010.


Everton do N. Siqueira - Colunista e Repórter Free Lancer

domingo, 4 de abril de 2010

Quem é intolerante mesmo?

A polêmica do momento é o jogador Robinho, e também alguns outros jogadores do clube que, em virtude de sua religião, não quiseram entrar numa entidade espírita para entregar ovos de páscoa.

A notícia, resumida, é a seguinte:

"O time do Santos organizou uma visita a uma entidade que trata crianças com paralisia cerebral...Os jogadores, obviamente foram, mas, segundo conta o próprio Robinho, quando chegou ao local soube se tratar de uma entidade espírita. Ele e alguns outros jogadores do clube, se negaram a entrar na entidade alegando motivos religiosos."

Quem não está por dentro do assunto, recomendo que leia um texto sobre o assunto, e os comentários dos "defensores da tolerância" que estão logo ao final.
http://e-paulopes.blogspot.com/2010/04/robinho-se-recusa-visitar-criancas-de.html
Não quero entrar no mérito da questão da validade da assistência espírita, ou da licitude ou não em entrar em Centro Espírita ou entidades assumidamente espíritas, até mesmo porque o jogador em questão não é católico, sendo assim a pessoa que poderia opinar teologicamente sobre sua postura deve ser um pastor ou fiel da igreja protestante à qual ele faz parte. 

O que me deixa indignado é que agora, em todos os canais, jornais e veículos de comunicação, inclusive as mídias sociais como o Twitter, Robinho é visto como o "símbolo da intolerância" ou "ícone do fundamentalismo religioso".

O mais ridículo da história é que os que pregam tanto a tolerância, são os mais intolerantes, pois não toleram a liberdade de culto a qual o jogador tem direito.

Se ele estava certo, ou estava errado em achar que o "lugar era contaminado" ou qualquer coisa do tipo, não vem ao caso. Vem ao caso que ele NÃO ERA OBRIGADO A ENTRAR NO LOCAL!

Ele, por não ter entrado no local, estava apenas nos seus direitos constitucionais garantidos pelo Art 5º da Constituição, que prevê a liberdade de culto. Intolerante seria se ele demolisse a entidade, ou proibisse que os outros jogadores entrassem, ou que ameaçasse de morte quem entrasse numa entidade espírita, mas não foi isso que aconteceu em nenhum momento.

Um católico quando diz que o espiritismo é demoníaco não está sendo intolerante; um protestante quando diz que católicos são idólatras, não está sendo intolerante, um espírita quando diz que o seu corpo vai reencarnar para ser purificado e que ressurreição não existe NÃO ESTÁ SENDO INTOLERANTE, está apenas professando a fé que acredita ser verdadeira. Se estão certos ou não, não vem ao caso neste momento.

Intolerância se dá quando querem impor goela abaixo que "qualquer religião é boa" e que "quem não entra em todas igrejas, templos, sinagogas, mesquisas, centro de macumba, campo de vudu, etc" está sendo intolerante...Entra em Igreja quem quer, entra em sinagoga quem quer, entra em mesquita quem quer...Querer colocar "todas religiões como iguais" ou como "aceitáveis" é que se trata da maior intolerância.

O próprio papa Bento XVI, antes de ser eleito o Sumo Pontífice disse que o maior perigo da atualidade é essa Ditadura do Relativismo que "nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades."

Se você achar isso tudo que escrevi uma completa bobagem, você NÃO ESTARÁ SENDO INTOLERANTE...é difícil entender isso?Intolerância seria se você colocasse uma arma em minha cabeça me forçando a apagar esse texto que estou escrevendo...intolerância seria se o jogador Robinho, ou seus amigos tentassem acabar com a entidade espírita que presta um serviço de assistência às crianças, ou se, como fazem os muçulmanos, matassem as pessoas que pensam diferente deles.

Intolerância é quando querem ridicularizar a figura do jogador, SOMENTE porque ele se negou a entrar num local onde, conforme ensina a religião que ele segue, não é um bom local...Repito, não vou entrar aqui no mérito teológico ou no mérito cristão das atividades espíritas, pois o intuito do texto não é esse.

Espero que os "politicamente corretos" que não toleram a liberdade de pensamento encontrem outro adjetivo para designar a atitude do Robinho pois, intolerante ele definitivamente não foi.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Bacalhau

Um dia triste, fosco, pesado. O mundo silenciara sobre um forçoso respeito cristão.

Ele olhou o oratório. Não encorajou-se a ajoelhar-se. Fitou o rosário, sentiu grande desânimo em desfiá-lo na ladainha.

Levantou-se. Não penteou-se. Não escovou os dentes. Não atirou água na cara. O mundo, como seu Espírito, parecia ter caído no caos.

Mas sentia fome. Também teve desejos de copular, urinar, entornar cerveja e cana, assar carne ao espeto.

Resistiu a tudo isso. Iria comer bacalhau.

Ah, o bacalhau... suas glândulas salivaram ao inspirar seu cozimento.

E banqueteou, voraz, cheio de glutonaria, deitando azeite e batata, metendo todo o tempero na iguaria que fumarava no seu fundo prato.

Comeu muito. Depois dormiu saciado e sorridente, o ventre intumescido, roncando e assoviando mergulhado no seu pesado sono.

Estava quite com Deus e com os homens. Sentia-se o mais genuíno dos cristãos. E o amanhã... ah, o amanhã, que importava, com suas difamações, suas traições armadas aos pés dos seus semelhantes, suas demandas, suas maledicências.

Nada disso abalava seu Espírito, purificado pelo ritual da bacalhoada.

Autor: Desconhecido

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Professores em greve dão "aula de baderna"

Todo o Brasil continua assistindo os professores do Estado de São Paulo, representados pela APEOESP e pela CUT, numa greve política contra o governador José Serra. Durante as manifestações, tivemos professores desrespeitando a lei, agredindo policiais, ameaçando de morte o governador e até queimando livros, como faziam os nazistas no início do século XX.

Notem a semelhança nas fotos:


O Senador Cristóvão Buarque disse, através do Twitter, que professores queimando livros é uma imagem assustadora e vergonhosa.

E os nossos alunos, o que pensam sobre essa “aula de baderna” ministrava pelos professores? Saímos às ruas para fazer essa pergunta ao corpo discente das escolas estaduais. 

Maria Caroline (2º ano): Eu acho uma lástima, pois o que está acontecendo é uma verdadeira baderna, isso não pode servir de exemplo pra ninguém. Se eles querem passar um bom exemplo para os alunos e para seus filhos, eles não poderiam ter essas atitudes que estamos vendo. As novas gerações correm o risco de crescer e seguir esse mau exemplo.




 
Daniele (2º ano): Eu acho que a atitude que eles estão tendo é errada, pois o dever dos professores é ensinar os alunos, não é praticar atos de vandalismo. Aqui na Escola Zulmira, pelo que eu saiba não tivemos casos de professores participando dos atos de vandalismo, mas alguns professores ainda estão em greve. Quem acaba sendo prejudicado são os próprios alunos, pois os professores eventuais (substitutos) muitas vezes não passam o conteúdo que nós precisamos aprender. Eu quero que essa greve se acabe logo.


João Victor (2º ano): Totalmente errado, pois vivemos num país democrático, onde só se resolvem as coisas na conversa, mas infelizmente não é isso que vem acontecendo na greve. Além do mais, os alunos estão perdendo, pois as aulas precisarão ser repostas.



Matéria publicada no Jornal A Gazeta Notícias, Ano III - Edição nº 136, em 01 de abril de 2010 - página A08.
Everton do N. Siqueira