sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Natal: entre o consumismo e o puritanismo

Neste tempo que antecede o Natal, a segunda maior festa cristã (a Páscoa é a primeira) é comum vermos nas lojas, nas casas e nos enfeites das árvores a figura de um velho de barba branca que chamamos de Papai Noel.

Esta tradição tem sua origem na vida de um santo da Igreja Católica, São Nicolau. Este santo possui um enorme número de milagres atribuídos, destacando-se o dia em que ele ressuscitou dois jovens que foram assassinados pelo dono de uma estalagem. Ao ressuscitar os dois jovens, São Nicolau conseguiu converteu o assassino à Igreja de Cristo.

São Nicolau possuía um costume de sair a noite presentear crianças e necessitados, sempre em segredo (Quando deres esmola, que tua mão esquerda não saiba o que fez a direita.Mt 6,3).

Neste Natal, devemos adotar uma postura crítica e cautelosa sobre algumas coisas; há dois extremos que devem ser evitados:

Por um lado, existe um grupo puritano e nada católico que quer eliminar do Natal a figura do Papai Noel, panetones, amigos secretos, árvores de Natal, etc. Para este grupo, todos esses costumes possuem uma natureza propriamente má.

Por outro, um grupo (geralmente pessoas dominadas pela mídia anticristã e por um capitalismo sem limites) que se esquece do verdadeiro sentido do Natal (o nascimento do Deus Menino) tratando-o apenas como uma “época de aumento nas vendas e no lucro das empresas”.

A atitude do cristão deve ser a que está entre esses dois extremos. Todos os costumes (árvores, enfeites, Papai Noel, etc) são cristãos e devem ser cultivados, mas com limites e prudência para que não passem por cima daquilo que é essencial. Embora seja bom participar de amigos-secretos, churrascos com os amigos e familiares, montar árvores de Natal, colocar enfeites, presentear e receber presentes diversos, sair à noite com a família para fazer compras, o verdadeiro sentido do Natal é outro. Podemos (e até devemos em algumas circustâncias) aproveitar esse período para festejar e se relacionar com outras pessoas de forma mais intensa, mas jamais podemos nos esquecer do Verdadeiro Sentido do Natal, o Nascimento do Deus Menino.

O Natal é uma festa católica (a data do nascimento de Cristo não consta na Bíblia, e portanto uma Sola-Scriptura não pode defini-la) e as tradições e costumes da época (panetones, amigos secretos, festas, árvores, enfeites, presépios) tem um significado simbólico; são importantes e devem ser cultivados, mas são apenas símbolos; o que é real e essencial para a Grande Festa do Natal é o Nascimento do Filho de Deus, o Verbo Encarnado.

Para aqueles interessados em conhecer melhor a vida de São Nicolau, colocamos no site da Paróquia Nossa Senhora da Piedade um vídeo com a sua história e também um texto "Quem é Papai Noel?"

Nenhum comentário: