sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Natal: entre o consumismo e o puritanismo

Neste tempo que antecede o Natal, a segunda maior festa cristã (a Páscoa é a primeira) é comum vermos nas lojas, nas casas e nos enfeites das árvores a figura de um velho de barba branca que chamamos de Papai Noel.

Esta tradição tem sua origem na vida de um santo da Igreja Católica, São Nicolau. Este santo possui um enorme número de milagres atribuídos, destacando-se o dia em que ele ressuscitou dois jovens que foram assassinados pelo dono de uma estalagem. Ao ressuscitar os dois jovens, São Nicolau conseguiu converteu o assassino à Igreja de Cristo.

São Nicolau possuía um costume de sair a noite presentear crianças e necessitados, sempre em segredo (Quando deres esmola, que tua mão esquerda não saiba o que fez a direita.Mt 6,3).

Neste Natal, devemos adotar uma postura crítica e cautelosa sobre algumas coisas; há dois extremos que devem ser evitados:

Por um lado, existe um grupo puritano e nada católico que quer eliminar do Natal a figura do Papai Noel, panetones, amigos secretos, árvores de Natal, etc. Para este grupo, todos esses costumes possuem uma natureza propriamente má.

Por outro, um grupo (geralmente pessoas dominadas pela mídia anticristã e por um capitalismo sem limites) que se esquece do verdadeiro sentido do Natal (o nascimento do Deus Menino) tratando-o apenas como uma “época de aumento nas vendas e no lucro das empresas”.

A atitude do cristão deve ser a que está entre esses dois extremos. Todos os costumes (árvores, enfeites, Papai Noel, etc) são cristãos e devem ser cultivados, mas com limites e prudência para que não passem por cima daquilo que é essencial. Embora seja bom participar de amigos-secretos, churrascos com os amigos e familiares, montar árvores de Natal, colocar enfeites, presentear e receber presentes diversos, sair à noite com a família para fazer compras, o verdadeiro sentido do Natal é outro. Podemos (e até devemos em algumas circustâncias) aproveitar esse período para festejar e se relacionar com outras pessoas de forma mais intensa, mas jamais podemos nos esquecer do Verdadeiro Sentido do Natal, o Nascimento do Deus Menino.

O Natal é uma festa católica (a data do nascimento de Cristo não consta na Bíblia, e portanto uma Sola-Scriptura não pode defini-la) e as tradições e costumes da época (panetones, amigos secretos, festas, árvores, enfeites, presépios) tem um significado simbólico; são importantes e devem ser cultivados, mas são apenas símbolos; o que é real e essencial para a Grande Festa do Natal é o Nascimento do Filho de Deus, o Verbo Encarnado.

Para aqueles interessados em conhecer melhor a vida de São Nicolau, colocamos no site da Paróquia Nossa Senhora da Piedade um vídeo com a sua história e também um texto "Quem é Papai Noel?"

domingo, 1 de novembro de 2009

KIT DO GOVERNO

*Vai transar?*
O governo dá camisinha.


*Já transou?*
O governo dá a pílula do dia seguinte.



*Teve filho?*
O governo dá o Bolsa Família.



*Tá desempregado?*
O governo dá Bolsa Desemprego.




*Vai prestar vestibular?*
O governo dá o Bolsa Cota.




*Não tem terra?*
O governo dá o Bolsa Invasão e ainda te aposenta.





Mas experimenta estudar e andar na linha pra ver o que é que te acontece!*

" Trabalhe duro, pois milhões de pessoas que vivem do
Fome - Zero e do Bolsa - Família , sem trabalhar , dependem
de você "

Triste realidade brasileira...

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Camisinha, Diu, Laqueadura – O perigo mora ao lado

Já não bastasse a promoção gratuita da promiscuidade e da prostituição, que ocorreu no Calçadão Doutor Pinheiro, no Dia dos Namorados, agora, novamente a comunidade cristã se envergonha de ver a Secretaria da Saúde (que deveria cuidar da saúde das pessoas) promovendo novamente uma sexualidade vã e promiscua.

Para quem não se recorda, dia 12 de junho, funcionários da Secretaria da Saúde estiveram no Calçadão Dr. Pinheiro distribuindo preservativos para que os casais de namorados cometessem o pecado da luxúria com o total apoio dos órgãos públicos.

A vergonha agora foi maior: durante a FAI, Festa do Aniversário de Itapeva, onde a grande maioria vai para se divertir e prestigiar os talentos artísticos dos cantores, funcionários do SAE (Serviço de Assistência Especializada (sic) em Moléstias Infecciosas) distribuíram, segundo a enfermeira Rosani Pontes, cerca de 5 mil preservativos aos presentes no local. Além de promover a sexualidade imoral, ainda atrapalham a festa, como se dissessem: “Não fique aqui na festa vendo os cantores, vá para o motel”.

Mas a imoralidade não pára por aí, dia 08 de setembro houve uma “formação”, feita pela enfermeira Regina Célia César, do Ambulatório Municipal de Saúde Materno, cujo tema foi “Planejamento Familiar” (Entenda-se controle de natalidade), onde foram abordados temas como laqueadura (método imoral, no qual a mulher pode fazer sexo de maneira luxuriosa, sem o “perigo” de gerar novos filhos – afinal, para eles um filho é apenas um incomodo não é mesmo?), o uso de preservativos (método que promove a promiscuidade e a luxúria de modo globalizado e desenfreado), o DIU (método abortivo, que mata o embrião já fecundado quando ele está a se fixar no útero da mulher), dentre outros.

O mais triste, não é saber das imoralidades promovidas pela Secretaria da Saúde, mas sim, ver que poucos são os cristãos verdadeiros, que se manifestaram contra essas barbaridades.

“O que me incomoda não é o grito dos maus, mas sim o silêncio dos bons” (Martin Luther King)

"Este povo somente me honra com os lábios; seu coração, porém, está longe de mim". (Mt 15,8).

Everton do N. Siqueira

everton2040@paroquiapiedade.com.br

Artigo publicado no Jornal A Gazeta Notícias, dia 01 de outubro de 2009.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Quando fecham-se as cortinas

Quando fecham-se as cortinas
aquele artista, antes sorrindo
agora fecha-se em uma sala
apenas quatro paredes
vêem sua angústia.

Quando fecham-se as cortinas
o palhaço se revela
um eremita descontente
com sua alegria
talvez até inexistente.

Quando fecham-se as cortinas
o mágico procura descobrir
sem o uso de seus poderes
qual seria o truque
para lhe trazer de volta
a sua felicidade

Quando fecham-se as páginas
de um livro...
de poesia talvez.
Tantas foram as que li
chorando..
escrevi chorando...
e chorando se foi
até minha felicidade.

Quando fecham-se as páginas
deste incrível livro de poesias.
O poeta
solitário, infeliz sem poderes
revela-se
o ator...
o palhaço...
o mágico...
pois sente-se feliz em saber
que tem o dom da poesia
e o usa para conquistar
atrizes, palhaças, mágicas
ou até mesmo
poetizas

Quando a poetiza abre as cortinas...

Autor: Everton do N. Siqueira
Meu Twitter: @everton2040

Obs: Poema antigo, que escrevi por volta do ano 2000.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

São Dimas e a humildade

“Jesus, lembra-te de mim, quando tiveres entrado no teu Reino! Jesus respondeu-lhe: Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso". (Lc 23,42-43).

Quem não se lembra desta cena, retratada de modo brilhante pelos atores do filme A Paixão de Cristo, em que Jesus, com a pouca energia que lhe resta, é capaz de declarar inocente esse terrível ladrão, quando este, por sua vez, reconheceu seus pecados “recebemos o que mereceram os nossos crimes (Lc 23,41)” e entregou-se à vontade daquele que, naquele momento, estava até irreconhecível como Deus, pregado numa cruz, açoitado ,humilhado, totalmente massacrado pelos soldados e com uma coroa de espinhos lhe perfurando toda a cabeça. Tamanha fé, de reconhecer o Salvador naquele momento final da morte de cruz, e ao mesmo tempo reconhecer sua pequenez e seus inúmeros pecados, tornou-se um exemplo para todos nós cristãos.

“São Dimas, que pelas chagas de Jesus crucificado, na vida e na morte, seja eu justificado”

Se pegarmos a nossa Bíblia no Evangelho de Marcos 10,46-52 perceberemos outra passagem semelhante, de um cego que gritava, e de modo semelhante humilhava-se para implorar a misericórdia Deus: “Jesus, filho de Davi, tem compaixão de mim!" (Mc 10,47).
Jesus, mesmo sabendo tudo sobre aquele homem, perguntou-lhe “Que queres que te faça?”.

Parece estranho que o próprio Deus encarnado, que conhece o coração humano, e todos os nossos pensamentos (Eclo 42,18-20), tenha perguntando àquele homem “Que queres que te faça?”, como se já não soubesse da resposta quase imediata que daria aquele cego: “que eu veja”.

Jesus lhe faz esta pergunta, porque Deus nos criou livres; e é dessa liberdade que ele quer que nos arrependamos, reconheçamos nossas fraquezas e então, como o ladrão no alto da cruz, peçamos perdão a Ele pelos pecados que cometemos todos os dias. Se formos condenados ao inferno, não será por injustiça de Deus, mas estaremos (como aquele ladrão) recebendo o que merecemos de direito, pelos nossos crimes. E é por isso que temos, a todo momento, a necessidade suprema de, como aquele cego, implorar a misericórdia de Deus: “Jesus, filho de Davi, tem compaixão de mim!” (Mc 10,47).

Que nosso orgulho não nos faça, sequer por um instante, pensar já estarmos salvos, ou que não termos pecados pois "se pensamos não ter pecado, nós o declaramos mentiroso e a sua palavra não está em nós". (1Jo 1,10).

Que com essa pequena reflexão tomemos consciência de nossas faltas e corramos em direção a Cristo, para que, arrependidos de coração, recebamos o perdão pelas nossas faltas.

Everton do N. Siqueira

www.paroquiapiedade.com.br

Artigo publicado originalmente no jornal A Gazeta Notícias, 03 de setembro de 2009, Coluna Católica –caderno 02.

sexta-feira, 13 de março de 2009

CAIU A MÁSCARA DO PRESIDENTE

Finalmente o Presidente Lula deixou cair a máscara. Não que para os atentos sua verdadeira face ainda estivesse escondida. Mas há aqueles que, cegando-se completamente, vendo o Lula como paladino da salvação desta nação, arauto da liberdade e do desenvolvimento, ignoram e propositadamente se eximem de ver o mal que este Presidente tem causado ao Brasil.

Desde que o Lula assumiu o poder, a esquerda no Brasil tem travado uma verdadeira guerra contra a moral e a ética. A exaltação de contra-valores, o desprezo dos valores morais mais enraizados no coração do povo brasileiro, tem produzido uma casta de políticos e cidadão despreocupados com o respeito por si mesmo, pelos outros e por Deus.

Em grande parte, é esta crise de valores que torna quase impossível no Brasil combater a corrupção por meios legais. Um governo corruptor, favorecedor da corrupção e da destruição dos valores morais, estimula o errado como certo. A impunidade (também ela mazela da imoralidade) reina no Brasil. A corrupção é tolerada com normalidade, como são toleradas com normalidade as campanhas (oficiais e extra-oficiais) do Governo Federal em prol do aborto, dos preservativos e do sexo livre, da união de homossexuais, e por aí vai. A reeleição de Lula após o triste episódio do Mensalão é a prova mais cabal de que o brasileiro está imerso numa crise moral sem precedentes, e não mais diferencia o certo do errado: é tudo uma coisa só.

Mas para os que ainda duvidavam da guerra de Lula contra Moral, felicita-nos saber que agora há a prova. Finalmente o Presidente deixou cair a sua máscara.

Ora, há os que diziam que o projeto de descriminalização do aborto era coisa do Genoíno, do PT em geral, do Ministro Temporão, mas nunca do Lula. “Não, o Lula não. É coisa dos outros, não do Lula”. Como se Lula não mandasse no Genoíno, como se Lula não desse as cartas no PT, como se não tivesse sido Lula que levou o abortista Temporão ao Ministério da Saúde. Se há algum mérito que deve ser reconhecido na ação do Presidente estes anos, é a aura de “santidade insuspeita” que ele conseguiu criar ao seu redor. Tudo tem a mão do Lula, mas todos insistem em não ver: é o Presidente, hoje, o maior favorecedor do aborto no Brasil.

E agora, Lula finalmente mostrou a cara. Confirmou, para júbilo dos que sempre denunciaram sua postura dúbia e hipócrita, o que sempre foi dito com respeito à sua posição sobre o aborto. Em entrevista no Programa 3 a 1, da TV Brasil, o Lula disse, sobre o aborto: “Há 26 anos, tenho uma posição, que é tratar de aborto como questão de saúde pública. Se você perguntar para mim, presidente Lula, o senhor é contra o aborto? Sou contra, minha mulher é contra, mas o Estado tem que dar atendimento”. Quer dizer então que o Presidente é contra, mas o Estado tem que dar atendimento às mulheres que queiram o aborto. Isto é, o Estado tem que garantir o aborto? Nestas circunstâncias, então, pouco importa que o Presidente ou sua mulher sejam contra: é a garantia do Estado ao aborto que matará milhares de criancinhas. E se, como disse o Presidente, “o Estado tem que dar atendimento”, então estes pequenos brasileiros já estão condenados à morte antes de nascerem, pouco importando que o Presidente seja contra ou a favor do aborto. Não é possível compreender, entretanto, como um Presidente se diz a favor do aborto e quer que o aborto seja descriminalizado no Brasil. É, no mínimo, suspeito.

Havia ainda aqueles que diziam que o Lula não era a favor da união de homossexuais. “Não, o Lula não. é coisa da Marta, do PT... Mas do Lula não...”

Novamente a aura de “santidade insuspeita” protegendo o Presidente... como se não fosse ele o mandante da Marta “relaxa-e-goza” Suplicy, ou do PT...

Mas disse o Presidente: “Temos que parar com hipocrisia, porque a gente sabe que existe. Tem homem morando com homem, mulher morando com mulher e muitas vezes vivem bem, de forma extraordinária. Constroem uma vida junto, trabalham juntos e por isso eu sou favorável. Uma coisa que me cala profundamente é porque os políticos que são contra não recusam os votos deles, porque o Estado brasileiro não recusa os imposto de renda que eles pagam? O importante é que sejam cidadãos brasileiros, respeitem a Constituição e cumpram com seu compromisso com a nação. O resto é problema deles e eu sou defensor da união civil”.

Aplausos para o Presidente.

Tem homem morando com homem, mulher morando com mulher, e tudo isso é “extraordinário” para o Presidente!

Abaixo os valores morais!

Abaixo o matrimônio e a lei natural!

O extraordinário mesmo é ter homem morando com homem e mulher morando com mulher!

E por isso o Presidente diz, agora abertamente: “Eu sou defensor da união civil de homossexuais”.

Que lástima, Presidente...

Que lástima...

Onde está a Moral, Presidente?

Onde fica a Moral?

No caixão?

Ou guardada no bolso de seu paletó, para que quando seja útil e necessária, para que quando seja atrativo de votos, possa ser vestida como uma máscara, escondendo a face da podridão e da vergonha?

Onde fica a Moral, Presidente?

Onde está a Moral?

Que a nação brasileira esteja atenta: a guerra deste Presidente e de seu governo contra a Moral e a Ética é aberta e insuspeita. Os brasileiros parem de se preocupar em demasia com a economia, adotando uma postura materialista, e dêem um pouco de atenção a questão da Moral em nosso país: o Presidente Lula e o governo do PT querem destruir os valores morais de nossa sociedade, que sustentam as famílias e a civilização. Quer destruir o que de mais caro existe ao ser humano: a ordem, a moralidade, o decoro.

E nós vamos ficar de braços cruzados, deixando que o faça?

Levantai-vos, grande nação brasileira!
Levantai-vos, que a hora é essa.


Autor: Taiguara Fernandes de Sousa

Fonte: www.veritatis.com.br