quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

O aborto

O aborto é o pior assassinato existente, onde se mata a vítima sem que ela tenha idéia do que aconteceu e privando-na totalmente do direito a defesa de sua própria vida.

A Igreja Católica sanciona com uma pena canônica de excomunhão (Cân 1398) este delito contra a vida humana (privando seus autores das orações públicas, dos Sacramentos e das indulgências e excluindo-os da sepultura eclesiástica - CSPX 232), e considera como um pecado mortal a colaboração formal para qualquer ato abortivo.

Vale lembrar o efeito de algumas pílulas popularmente chamadas “pílulas do dia seguinte”, cujo efeito é claramente abortivo, pois priva o feto (já formado) de fixar-se no útero feminino.
Chegado o período da Quaresma, a CNBB novamente lança a Campanha da Fraternidade, que este ano traz como lema “Escolhe, pois, a vida” (Dt 30, 19), onde nos incentiva a refletir sobre a nossa vida, e a vida do nosso próximo, e também combater qualquer forma de atentado contra a vida humana, que é sagrada desde a sua concepção.

Desde o Antigo Testamento, vemos os profetas batalhando em prol da vida, e em defesa da dignidade humana e este fato se estende claramente ao Novo Testamento, a começar pelo exemplo da grande Mãe Maria Santíssima, que soube educar e cuidar da vida de seu filho Jesus Cristo até sua manifestação à vida pública.

Pe. José Adalberto Vanzella, em seu artigo intitulado “A bíblia em defesa da vida” nos lembra de algumas passagens dos profetas do Antigo Testamento em prol da vida: O profeta Isaías denuncia o fato de que a cidade de Jerusalém tornou-se morada de assassinos (Cf. Is 1, 21). O profeta Ezequiel também faz denúncias desse tipo quanto diz: “Aqui estou eu batendo palmas para denunciar a exploração que praticas e os assassinatos que em ti acontecem” (Ez 22, 13). Afirma também a presença de sangue derramado em Israel e em Judá (Cf. Ez 23, 44-45) e que a cidade está repleta de assassinos e de violência (Cf. Ez 7, 23).

Dizer que um feto não é vida, e ser a favor do aborto, é ir contra os Mandamentos de Deus (Não matarás) e se fazer ignorante perante as descobertas da ciência moderna que dizem claramente que existe a vida a partir do momento em que o espermatozóide encontra-se com o óvulo.Sendo assim, a exemplo desses profetas do AT, de Maria Santíssima e também do nosso Salvador Jesus Cristo, reconheçamos publicamente o direito à vida, e sejamos contra esse assassinato terrível chamado aborto.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

O Carnaval e a Camisinha

Aproxima-se o carnaval, e com ele vêm a tão divulgada distribuição de camisinhas que este ano traz como slogan: “Bom de cama é quem usa camisinha”, e (em algumas cidades) a distribuição de pílulas abortivas, que popularmente chamamos de “pílula do dia seguinte”.

Nisso se revoltam alguns liberais pró-aborto e pró-sexo promíscuo em relação ao parecer da Igreja Católica diante destes fatos, justificando-nos ser esta uma tentativa (que eu considero inválida) de combater a AIDS e as Dsts.

A verdade é que uma coisa não justifica a outra: se o mundo está sofrendo com a AIDS, e com outras Dsts, não será incentivando o sexo “desenfreado”, que muitas vezes está ligado também ao adultério e à destruição do Sagrado Matrimônio instituído por Deus, que iremos combater.Não se combate o mal com o mal, ou o errado com um outro erro, é preciso rever os conceitos deste país cristão, conceitos estes que proíbem uma vida sexual desenfreada e fora do Sagrado Matrimônio, é preciso rever o modo como nossos jovens (e até alguns “adultos”) pensam sobre a sua vida sexual, e aplicar os conceitos de castidade cristã nos nossos sistemas de educação e nos meios de comunicação.

Muitas pessoas, inclusive algumas que se dizem “católicas”, na tentativa de amenizar o erro,, justificam que nossa sociedade chegou aa tal ponto que se torna difícil ensinar e resgatar os verdadeiros valores puramente cristãos nas pessoas, e como justificativa dizem que, de imediato, o “menos pior” é a distribuição da camisinha.

Tal afirmação, não passa de um relativismo anticristão, que seria o mesmo que tirar o pino de uma granada e escolher o lado mais vazio para jogar, a fim de amenizar a culpa matando menos pessoas.

E assim vem chegando, mais um carnaval, que deveria trazer alegria a nossos corações, totalmente destruído pelo governo brasileiro.

Enquanto nossos impostos patrocinam 19,5 milhões de relações sexuais frias e egoístas, o câncer continua matando e as filas dos hospitais públicos crescendo a cada dia.